Foco NO cliente ou foco DO cliente?

Nas últimas duas décadas, o mundo tecnológico evoluiu de maneira jamais vista por outros segmentos e graças a ele, principalmente pelo surgimento da internet, e-mail e redes sociais, as pessoas passaram a interagir mais umas com as outras, além de terem acesso de forma fácil e rápida a informações de diversas naturezas.

De forma similar, nas últimas duas décadas, as empresas focaram muito em estudar o comportamento e hábitos do cliente. Agiram dessa forma pois precisavam entender o seu perfil e definir uma estratégia comercial para atuação.

Em meio a tanta evolução o modelo de marketing e vendas tradicional, utilizado para a conquista de novos clientes, ficou defasado, sendo necessário uma adaptação na estratégia de captação e manutenção de potenciais clientes. No modelo tradicional o cliente é constantemente colocado em evidência, ou seja, é necessário pegar dados do cliente, avaliar seu comportamento, sua situação financeira, seu perfil como consumidor. Neste contexto, os sentimentos, os objetivos e o que ele de fato gostaria de adquirir ou contratar é negligenciado pela empresa que está vendendo. Hoje em dia, não cabe mais deixar de respeitar os sentimentos e reais objetivos do cliente e é nesse sentido que nasce o conceito de Foco do Cliente.

Neste novo conceito, a abordagem é mudada em sua totalidade. Nele o consumidor deixa de ser considerado apenas como um conjunto de dados e sim como um ser humano. O fator humano entra em jogo para que a empresa possa gerar experiências agradáveis ao cliente e não somente para a própria organização.

Com este novo conceito, o consumidor também passa a mudar a sua visão com a relação de consumo e passam a enxergar o seu fornecedor como parceiro de negócios. Assim a relação deixa de ser meramente comercial e o relacionamento entre vendedor e consumidor passa a ter mais valor. É possível entender que na negociação ambos podem ganhar e não há perdas, obter lucro e as experiências afetarão suas emoções de forma positiva.